Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Luz e o Nada

A Luz e o Nada

Janeiro 16, 2021

 

Entenda a diferença entre tristeza e depressão e quando é hora de buscar  ajuda profissional

 

É  que 159 mortes diárias se transformem em rotina, como se tornou habitual conviver com este vírus mortal, como se nada fosse. 

 

 

Janeiro 13, 2021

 

Moça na montanha foto de stock editorial. Imagem de montanha - 54578873

 

Olhas para a montanha conhecendo perfeitamente a dor da subida e sabes que a descida não te trará alívio algum. Mas encetas caminho como se passeasses numa planície e aonde queres chegar fosse já, ali na frente.

 

 

Janeiro 11, 2021

 

 

Imagens Sombrio | Vetores, fotos de arquivo e PSD grátis

 

Para esconder-se do sol construíra uma casa de sombras numa clareira, em que de todos os lados se avistassem o rio e as montanhas. Mas o sol teimoso, entrava pela fechadura da porta. Estreitava-se até caber nas frinchas das janelas e intervalos  do tecto. De inverno as sombras comprimiam-se com o frio e a chuva nunca lá entrava. 
As sombras eram suficientemente quentes e fofas para em qualquer canto da casa se estar confortável. Mesmo dormindo encostado à parede. 
O rio parecia bichanar ao encontrar uma rocha, mas de resto fluía calmo. Sobre as montanhas um, ou outro pio de águia. Cascos de gamo. Uivar de matilha, constituíam uma excelente banda sonora enquanto se escrevia e até para adormecer. Adormecia cedo para não assustar as sombras que, com a primeira luz da vela que acendeu, ameaçaram fugir. 
Foi nessa altura que compreendeu que a luz da vela para as sombras, funcionava como a do sol, para si. 

 

 

Janeiro 10, 2021

 

Menina triste Fotografias de Banco de Imagens, Imagens Livres de ...

 

Não duvides dos conselhos do tempo quando te assegura que passa. Porque, passa! É o que ele faz. Passa e leva tudo o que um dia duvidaste que passasse. 

 

 

Janeiro 08, 2021

 

10 of the UK's best alternative mountain and hill walks | Walking holidays  | The Guardian

 

 

Vejo-te. Num prado verdejante, em sossego. Olhas para longe onde o prado se esbate no dourado de um sol claro, dardejante, que consente ser olhado nos olhos, sem nos magoar a íris. Lindo, como nunca vi! Procuro as flores, os pássaros, as borboletas, que habitualmente pululam nestes lugares. Nada! 
Só te vejo. Como se os conseguisses perceber e sentir e eu nunca os alcance, por mais que esfregue os olhos. Vejo-te. Teimo ver-te.
Mais um pouco, concede-me outro instante. Fica aqui!
Não. Queria ver-te e sonhei.

 

 

Janeiro 07, 2021

 

 

How Did The Minnesota Ice Woman Survive - YouTube

 

 

O frio não provinha de uma massa polar. A ela não sucederia outra aragem cortante, vinda do árctico. Este gelo emanava do seu interior e estendia-se a toda a parte. Sem abrir a boca expelindo som ou bafo, enregelava tudo. Ninguém se sentia bem em casa, quer na rua. Se o pudesse evitar, fazia-o. Mas desconhecia como. 

 

 

Janeiro 05, 2021

 

 

Chocolate Sourdough with Chestnuts and Chocolate Chips | The Fresh Loaf

 

Levantava-se cedo, com o lábio de baixo a tremelicar. A ter de agarrar-se aos braços e friccioná-los tal, era o gelo. Mas ao abrir a janela os olhos sorriam-lhe para o Sol pálido, ainda tímido no horizonte. Lavava-se, a sentir os dedos entorpecidos. Vestia-se, ainda a tiritar, penteava-se e bebia de fugida um café forte, curto, numa caneca de esmalte esbotenada, herdada dos seus avós. 
Mordiscava uma lufada de geada que a porta deixava passar, quando trazia o alguidar na mão e a farinha debaixo do braço, da despensa no lado de fora. Perfilava fermento e medidas de água e gorduras na mesa de mármore estalada no canto e, fazia pão. O estômago a roncar-lhe.  As mãos a moldar a massa. O forno pré aquecido, sem a caruma e os toros armazenados por baixo, agora ligado à corrente, recebia o tabuleiro aperaltado com uma dúzia de pães pequenos de trigo rústico e o que havia de ser, uma broa de milho.

No rádio uma moda soava. No ar, novamente o cheiro a café coado. No lava-louça, tudo já a escorrer. O formo tilintava e as mãos curtidas furtavam ao todo, um trigo fumegante. Abria-o sem faca. Cortando generoso, um naco de queijo salgado e picante, também à mão. De bem consigo e o mundo sentava-se finalmente a comer. 

 

 

    

Janeiro 05, 2021

 

Germán Garsco ...<3 elementalityonline.com | Portrait photography,  Photography, Photography inspiration

 

O problema não eram as palavras. Tinha prateleiras cheias delas que iam do chão ao tecto em casa e dentro de si, para qualquer fim. Não era o som da sua voz. Falava quando era preciso. O problema, que não era problema algum, eram as horas. Desenhara um traço curvo a negro numa folha branca e perdera a noção do tempo a olhar para ele. Há horas perdidas continuava na indecisão total. Lia ali o esboçar tímido de um sorriso; a curvatura da Lua cheia; a biqueira de um sapato fora de moda, ou a lugubridade da sua alma?

 

 

 

Dezembro 28, 2020

 

Mundo Archivos - Página 114 de 276 - Quintana Roo Hoy

 

Acampei nas margens de um título. Ergui uma tenda à sombra de um livro. Refugiei-me nas suas páginas, colhendo dele os frutos que me nutrem o líquido  que me dessedenta. Passeio pelas linhas simétricas. Descanso nas pausas propostas. Banho-me neste Mar sem Estrelas e adormeço ao ar livre sem frio, sob um manto fino de luar. 

 

 

Dezembro 19, 2020

 

 

Игорь-сан 🙋‍♂️ on Twitter: "#Rain in Autumn Park ... Photo by Eduard  Gordeev… "

 

O vento tagarelou e tagarelou, com a chuva que caía.
Ouvi-os na minha cama.
A bater da persiana.
Que desaustinada tremia.

 

Sob os lençóis acordada.
Quente e ensimesmada.
Não pensei na gente molhada.
Que na rua trabalhava, ou para casa corria.

Pensava e voltava a pensar.
Como o tempo que fazia.
Como o dia acordaria?
Quando a noite assim chorava.

 

Na terra que estaria empapada.
Nas bermas sujas da estrada. A, folhas todas forradas.
Aos passeios também coladas
E no sono que não vinha.

 

Pensava e também pensava.
Enquanto o vento tagarelava.
E a chuva lhe respondia.
Como a vida é um momento, que de supetão acaba.

 


 

 

Mais sobre mim

foto do autor